Livro: “Nunca é o bastante: A história do The Cure”

Autor: Jeff Apter
Editora: Edições Ideal
Título Original: Never Enough: The Story of The Cure.
Ano de Lançamento: 2015

buy malegra online cialis canada no prescription dissertation littraire plan dtaill https://www.nationalautismcenter.org/letter/search-thesis/26/ thesis for a discussion paper term papers for cheap enter site good college entrance essays how do i know if my viagra is real https://bmxunion.com/daily/dissertation-on-homelessness-uk/49/ follow link changing thesis advisor go to link dissertation jura gujarati essay digital technology best dissertation writing companies high school essay writing viagra rezeptfrei holland msc thesis introduction enter difference between dissertation and essay essay on how to write an essay research paper introduction example buy a finance essay same day https://greenechamber.org/blog/literary-analysis-the-stranger/74/ angela women's ginseng nolvadex essay my hobby easy https://www.nationalautismcenter.org/letter/good-movies-to-write-essays-on/26/ college thesis proposal sample follow link buy cialis 40 mg paypal Sinopse da Editora

A história do The Cure começa como a de tantas outras bandas de rock ao redor do planeta. Um grupo de amigos entediados, numa pacata cidade, com uma ideia na cabeça: liberar o tédio e a frustração adolescentes através de música melancólica com guitarras. Um enredo bastante comum. Mas o aspecto prosaico dessa história acaba por aí. Tudo que veio depois foi grandioso, turbulento e causou um impacto profundo (e tristonho) na música contemporânea.

Da suburbana Crawley (em Sussex, Inglaterra) para o mundo: os (originalmente) três rapazes imaginários estabeleceram uma carreira duradoura e influente, que mesclou – talvez como nenhuma outra – essa capacidade improvável de alternar entre músicas longas, densas e soturnas com hits radiofônicos de primeira grandeza. Afinal, a mesma banda que criou “The Same Deep Water As You” também compôs “Friday I’m In Love”. Do fundo do poço ao topo das paradas. Quantas bandas conseguiram equilibrar esses extremos nas suas carreiras?

A biografia escrita por Jeff Apter, ex-editor da Rolling Stone Austrália, vasculha os principais acontecimentos da trajetória desses sobreviventes do pós-punk. Disco por disco, polêmica por polêmica, um relato abrangente e detalhado, que revela curiosidades das gravações, das turnês e também das vidas pessoais dos integrantes. Da inconsistência do primeiro álbum (Robert Smith apitou pouco nesse debut, e decidiu tomar as rédeas depois de se frustrar com o resultado) à trilogia maldita (formada pelos discos Seventeen Seconds, Faith e Pornography), passando pelo sucesso mundial em meados dos anos oitenta, pela bem-sucedida parceria com o diretor Tim Pope (que rendeu clipes que passaram à exaustão na MTV) e por todos os aspectos positivos e negativos que vêm de brinde com a superexposição.

Com Robert Smith conduzindo os rumos da banda de maneira firme, o Cure conquistou uma legião de fãs, vendeu milhões de discos e cravou seu nome na história do rock’n’roll. Pais do gótico? Tem um fundo de verdade, mas é um reducionismo desnecessário, afinal eles foram muito além disso. “The Lovecats”, “Close To Me” ou “Let’s Go To Bed” não me deixam mentir. E essa história não chegou ao fim: Smith e cia seguem cantando e encantando. Nunca é o bastante para o Cure.

– Clique aqui, e leia um trecho do livro.

Sinopse do Livro na Edições Ideal.
– Matéria de Silvio Essinger no Jornal “O Globo”.