“Exposição John Lennon em Nova York por Bob Gruen” chega ao MIS em março.

(foto: Divulgação / John Lennon por Bob Gruen)

Em março de 2020, o Museu da Imagem e do Som – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo – apresenta, pela primeira vez no país, a exposição John Lennon em Nova York por Bob Gruen.

Numa grande comemoração aos 80 anos de nascimento e 40 anos de legado de John Lennon, um dos maiores músicos da história, a exposição exibe imagens do fotógrafo Bob Gruen e revela o dia-a-dia do músico na cidade de Nova York entre os anos de 1971 e 1980. Bob Gruen é um dos maiores fotógrafos da cena rock’n’roll mundial ainda em atividade na contemporaneidade. Por meio de uma curadoria inédita para o Brasil, a mostra trará, além de fotografias nunca exibidas, objetos da época pertencentes ao acervo pessoal de Bob Gruen.

John Lennon em Nova York por Bob Gruen, que abre logo após a megaexposição Musicais no Cinema (em cartaz até 16 de fevereiro), marca o início das comemorações do aniversário de 50 anos do MIS, celebrados em 2020.

SERVIÇO

JOHN LENNON EM NOVA YORK POR BOB GRUEN

Data: De 13 de Março de 2020 a 7 de junho de 2020

Museu da Imagem e do Som – MIS

Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo| (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br

Estacionamento conveniado: R$ 18. Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.

Vendas a partir de 07 de fevereiro de 2020 no site: https://www.sympla.com.br/

 

Sobre Bob Bruen

Bob Gruen é um dos fotógrafos mais conhecidos e respeitados do rock and roll. De John Lennon a Johnny Rotten; de Muddy Waters aos Rolling Stones; de Elvis a Madonna; de Bob Dylan a Bob Marley; de Tina Turner a Debbie Harry, ele capturou a cena musical durante mais de quarenta anos em fotografias que se tornaram reconhecidas mundialmente. Pouco tempo após John Lennon se mudar para Nova York em 1971, Bob se tornou fotógrafo e amigo pessoal de John e Yoko, fazendo fotos de sua vida profissional e de momentos em família. Em 1974, ele criou as imagens icônicas de John Lennon vestindo uma camiseta da cidade de Nova York, e de pé, em frente à Estátua da Liberdade, fazendo o sinal de paz – duas das imagens mais populares de Lennon. Como fotógrafo-chefe da Rock Scene Magazine nos anos 1970, Bob se especializou em cenas autênticas dos bastidores. Ele viajou em longas turnês com as bandas de punk e new wave que acabavam de surgir, entre elas New York Dolls, Sex Pistols, Clash, Ramones, Patti Smith Group e Blondie. Bob também trabalhou com grandes nomes do rock, como Led Zeppelin, The Who, David Bowie, Tina Turner, Elton John, Aerosmith, Kiss e Alice Cooper.

Bob foi agraciado, em junho de 2004, com o prestigiado HonoursListAward for Classic Image, da MOJO Magazine, em Londres e, em novembro de 2010, entrou para o LongIsland Music Hall ofFame. Por sua atuação beneficente, Bob recebeu o primeiro John Lennon Real Love Award, em dezembro de 2014, no 32º Annual John Lennon Tribute Concert. Em 2013, a exposição John Lennon foi inaugurada em Buenos Aires, na Argentina, e atraiu mais de 500.000 visitantes em três semanas, batendo o recorde de público para uma exposição no país. Mais recentemente, Bob também fotografou a turnê europeia do Green Day, Yoko Ono/Plastic Ono Band, Iggy Pop, Ozzy Osbourne, AC/DC, Jesse Malin, Ryan Adams, Courtney Love, The Strypes, entre outros artistas emergentes e populares.

 

(fonte: http://www.cultura.sp.gov.br/ – Governo do Estado de São Paulo)

Livro: “John Lennon, A Vida”

Biografia definitiva de John Lennon – escrita com base em extensa pesquisa e em documentos e depoimentos inéditos de Yoko Ono, Sean Lennon e Paul McCartney – traz revelações surpreendentes sobre o ex-Beatle, desde a infância em Liverpool até seus anos finais em Nova York, onde Lennon foi morto a tiros em 8 de dezembro de 1980.
__________________________________________________________

Autor: Philip Norman
Editora: Companhia das Letras
Tradução: Roberto Muggiati
Título Original: John Lennon: The Life
Ano de Lançamento: 2009
__________________________________________________________

Sinopse da Editora

Entre as muitas revelações contidas nesta nova biografia de John Lennon, talvez a mais inocente seja a de que, ao contrário do que se acreditava até hoje, não foi a tia, Mimi, mas sua mãe, Julia, quem lhe deu a primeira guitarra. Bem menos inocente é a identificação correta da verdadeira musa de “Norwegian Wood”, canção dos Beatles que relatava um evidente caso extraconjugal do líder da banda.

Mas nem uma coisa nem outra dá a tônica à cuidadosa pesquisa realizada por Philip Norman ao longo de três anos. Longe de contentar-se com curiosidades ou mexericos, John Lennon: a vida é o relato biográfico mais completo já escrito sobre uma das personalidades mais fascinantes da segunda metade do século XX: John Winston Lennon, nascido em 9 de outubro de 1940 e tragicamente morto a tiros em 8 de dezembro de 1980, na entrada do edifício Dakota, em Nova York.

Com acesso a documentos inéditos e testemunhos diretos de Yoko Ono, Sean Lennon e Paul McCartney, entre outros, Norman começa por descrever em detalhes infância e adolescência do ex-Beatle, e logo traz à tona episódios e personagens cruciais para o entendimento de uma figura tão unanimemente admirada quanto controvertida. O pai, Freddie Lennon, que o teria abandonado ainda pequeno, é uma delas, e seu lado da história ganha aqui, pela primeira vez, um relato pormenorizado. Não menos surpreendentes são os episódios jamais divulgados da vida do ex-Beatle, como a surra feroz e injustificada que, ainda em Hamburgo, Lennon teria dado em Stu Sutcliffe, mais tarde apontada como possível causa da morte prematura do amigo, em 1962.

Stu e Julia, Lennon admitiria mais tarde, foram as grandes perdas de uma existência marcada em igual medida pela genialidade e pela insegurança. Na outra ponta, Yoko Ono dá testemunho sincero e único dos quase quinze anos de vida a dois, e um comovente depoimento de Sean Lennon encerra o livro. Se, como mostra Philip Norman, John carregou por toda a vida a mágoa de não ter podido conviver mais tempo com a mãe, Julia, Sean não teve melhor sorte: tinha cinco anos quando o pai foi assassinado – uma das trágicas coincidências de uma biografia tão rica quanto conturbada, apresentada aqui num texto cristalino, que alia rigor de pesquisa a qualidade literária.
_________________________________________________________

– Leia e saiba mais no site da Companhia das Letras.
– Leia a matéria do jornal “Folha de São Paulo” sobre o livro.