Livro: “Dead Kennedys, Fresh Fruit for Rotting Vegetables (Os Primeiros Anos)”.

Autor: Alex Ogg
Editora: Edições Ideal
Título Original: Dead Kennedys: Fresh Fruit for Rotting Vegetables – The Early Years
Tradutor: Alexandre Saldanha
Ano de Lançamento: 2014

see https://plastic-pollution.org/trialrx/sildenafil-de-que-edad-se-puede-tomar/31/ https://home.freshwater.uwm.edu/termpaper/6th-grade-freedom-essays/7/ packungen cialis information writing essay for college application love is essay sildenafil hipertenso pulmonar posologia https://www.rmhc-reno.org/project/dissertation-ideas-criminology-sociology/25/ https://thembl.org/masters/benefits-of-swimming-essay/60/ see url https://climbingguidesinstitute.org/863-pipe-welding-essays/ retail sales assistant cover letter follow link help in homework https://reprosource.com/hospital/lexapro-no-perscription-viagra/72/ essay on martin luther king jr in class essay rubric middle school clomid and unicornuate uterus follow site photography institute assignment 1 help ptnrs searchfor viagra como conseguir viagra en una farmacia https://cwstat.org/termpaper/essay-writing-about-who-am-i/50/ viagra side effects hemorrhoids buy viagra professional online essays on puerto rico culture carvedilol and cialis creative writing how can i reduce waste maximum dose viagra 24 hours https://homemods.org/usc/beach-descriptive-essay/46/ get link body modification thesis Sinopse da Editora
(por Marcelo Viegas)

A batida tribal, o baixo ameaçador, a guitarra fantasmagórica e finalmente a voz sarcástica que anuncia “I am Governor Jerry Brown”. Era um verdadeiro chamado para a batalha: um botão de alerta que, quando acionado, invertia os papéis da sociedade. Garotos populares para trás, desajustados para frente! Doce – e barulhenta – vingança dos rejeitados, tímidos, feios, nerds, punks, skatistas, enfim, de todos aqueles considerados “diferentes”.

Esse épico começo de “California Über Alles”, reconhecível a quilômetros de distância, foi incorporado não apenas ao imaginário daquela geração que cresceu pulando com esse som: como um vírus, penetrou no sangue de todo e qualquer punk que nasceu nos anos seguintes. Corrigindo: décadas seguintes.

Lá se vão 34 anos desde o lançamento de Fresh Fruit for Rotting Vegetables, o primeiro e clássico álbum do Dead Kennedys. A edição nacional, em vinil branco, saiu pela gravadora Continental com seis anos de atraso e tornou-se um item sagrado para a juventude brasileira. Era tocado em festas, emprestado (com certo temor) para amigos, gravado em fitas K7, disputado a tapa em lojas quando o pôster estava intacto! Três décadas depois e quase nada mudou: as faixas do Fresh Fruit ainda animam muitas festas, ninguém gosta muito de emprestar esse disco, ele ainda marca presença em playlists ou mixtapes, e o LP com o pôster continua valendo o dobro do preço nas feirinhas de vinil.

A influência do Dead Kennedys é atestada pela longevidade. Fresh Fruit permanece atual.

Assim, o recorte histórico do escritor Alex Ogg é muito bem-vindo. Com a contextualização dos primeiros anos da banda e o acompanhamento minucioso do processo de composição e gravação do debut, o autor britânico consegue estabelecer um pouco de consenso numa história que é marcada por brigas, disputas judiciais e egos inflamados/feridos. É tarefa árdua (quase impossível) lançar algo que agrade todas as partes envolvidas nesse caso. E Alex Ogg conseguiu – com paciência e muito jogo de cintura, mas conseguiu (inclusive ele enumerou no apêndice o número de aspas atribuídas à cada um dos integrantes, para “provar” que todos tiveram a chance de defender a sua versão).

Tretas à parte, a obra vai agradar os fãs, não apenas pelos depoimentos e fatos levantados, mas também pela riqueza gráfica: o livro é todo ilustrado com as artes de Winston Smith, o homem responsável pelo emblemático logo do DK e um dos grandes nomes na técnica da colagem punk, e com as fotografias de Ruby Ray, que estava agachado na beira do palco do Mabuhay Gardens, no fim dos anos 70/começo dos 80, registrando a efervescente cena punk que nascia em San Francisco. Mergulhe nas páginas desse livro e entenda com mais clareza o papel-chave do DK na transformação da retórica punk em algo genuinamente ameaçador – e incrivelmente divertido.

*Marcelo Viegas é o editor brasileiro do livro e, orgulhosamente, um dos desajustados que pulava feito doido toda vez que ouvia “California Über Alles” numa festa nos anos 80.

Veja o “book trailer” oficial.

– Clique aqui, e leia um trecho do livro.

– Leia e saiba mais no site da Edições Ideal.

– Leia a matéria sobre o livro no site do jornal “O Estado de São Paulo”.

(Visited 89 times, 1 visits today)