Livro: “Novo Aeon, Raul Seixas no torvelinho de seu tempo”

Autor: Vitor Cei
Editora: Mondrongo
Ano de Lançamento: 2010 (2º Edição – 2019)

Release

A segunda edição do livro “Novo Aeon: Raul Seixas no torvelinho de seu tempo”, de Vitor Cei, foi publicada pela editora baiana Mondrongo.

Vitor Cei, doutor em Estudos Literários e professor do Departamento de Línguas e Letras da Universidade Federal do Espírito Santo, explica que o livro estuda a utopia da Sociedade Alternativa apresentada por Raul Seixas em suas músicas. A doutrina do Novo Aeon, Nova Era, foi elaborada pelo escritor inglês Aleister Crowley na obra “Os Livros Sagrados de Thelema”, traduzida por Vitor Cei e publicada pela editora Madras em 2018. As ideias de Crowley foram muito influentes na contracultura das décadas de 1960 e 1970, impulsionando trajetórias existenciais de grande força contestatória, de artistas como Raul Seixas, que acompanhou o movimento alternativo e lançou sua música à condição de espírito do seu tempo.

Vitor Cei analisa a discografia de Raul Seixas à luz da multiplicidade de problemas que formam nossa experiência cultural. O autor pontua, nas músicas do Raul, as ressonâncias das questões que animaram o torvelinho do seu tempo: autoritarismo, censura, desbunde, contracultura, ocultismo, indústria cultural, melancolia e niilismo.

Análise

Sérgio da Fonseca Amaral, professor do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFES, escreve na apresentação da obra que “o leitor encontrará no texto de Vitor uma elaborada e intrincada análise de um músico com sua época; de um músico agonístico, engajado na busca de transformar a percepção apostando em métodos por vezes pouco ortodoxos. Assim, o trabalho faz circunvolução em torno de um artista, mas, ao fazer isso, perscruta um país, uma época e um mundo em formação”.

Wilberth Salgueiro, diretor da Editora da UFES e professor do Programa de Pós-Graduação em Letras, afirma no posfácio que “este estudo de Vitor vem em boa hora: muito além da celebração, é um convite à cerebração. Em síntese, este livro aciona em nós os prazeres de pensar música e história – ao som, alto e bom som, de Raul Seixas”.

O autor acredita que a pesquisa já terá sido frutífera se for capaz de estimular a escuta da obra de Raul Seixas, trazendo à reflexão os problemas políticos, existenciais e socioculturais que marcaram seu tempo, num questionamento das conexões entre produção cultural e vida social, detectando, ampliando e registrando alguns problemas do Brasil. Ele espera que cada leitura conduza a outros desdobramentos possíveis, apontando para novos problemas e facetas da nossa experiência cultural múltipla.

Sobre o autor

Vitor Cei Santos nasceu em Vitória no dia 02 de maio de 1983. É doutor em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com doutorado sanduíche na Universidade Livre de Berlim, com mestrado em Letras pela Universidade Federal do Espírito Santo. Trabalha como professor do Departamento de Línguas e Letras da UFES.

Mais informações sobre o evento de Lançamento de “Novo Aeon: Raul Seixas no torvelinho de seu tempo”.
Leia e saiba mais no site da “Editora Mondrongo”.

Fonte: Vitor Cei e Editora Mondrogo

Livro: “Scar tissue, as memórias do vocalista do Red Hot Chili Peppers”

Autor: Anthony Kiedis e Larry Sloman
Editora: Belas Letras
Título Original: “Scar Tissue” (2004)
Ano de Lançamento: 2018 (relançamento)

O livro foi lançado pela primeira vez no Brasil em 2005 pela “Ediouro”, e tinha como título: “Scar Tissue – A Vida Alucinada do Vocalista do Red Hot Chili Peppers”.
Sinopse do lançamento de 2005 pela Ediouro.

Quem já ouviu as músicas de Anthony Kiedis, vocalista dos Red Hot Chili Peppers, logo reconhece seu estilo honesto e direto nas páginas de Scar Tissue. Não há constrangimento nenhum em narrar as piores fases de sua vida, incluindo os relacionamentos mais problemáticos e os longos períodos sombrios em que jogava tudo fora em troca de mais uma viagem de heroína.
O tom emocional de Kiedis envolve o leitor em seu sofrimento e em seus triunfos, como se o protagonista dessa história real fosse um irmão ou um amigo próximo.
Scar Tissue relata a vida de um astro do rock sem maiores mistérios, longe do glamour vendido pela imprensa musical. É a expressão da paixão de um homem pela vida, pela música e pelas batalhas contra os demônios pessoais que quase o destruíram.

Release da Editora Belas Letras

As cicatrizes reais de uma lenda da música. Considerada pela Rolling Stone como uma das melhores autobiografias de roqueiros de todos os tempos, Scar Tissue expõe a alma de Anthony Kiedis, vocalista do Red Hot Chili Peppers. Kiedis oferece uma história de dedicação e devastação, de intriga e integridade, de imprudência e redenção – uma história que só poderia ter saído do mundo do rock.

– Leia e saiba mais no site da Editora Belas Letras.

– Leia matéria no site do jornal “Folha de São Paulo”.

Livro: “O sol & a lua & os Rolling Stones”

“Um novo mergulho na vida dos Rolling Stones através da lente apaixonada e crítica de um dos criadores da série Vinyl, da HBO.”

Autor: Rich Cohen
Editora: Zahar
Título Original: “The Sun & The Moon & The Rolling Stones”
Tradutor: Marcelo Arlin Schild
Ano de Lançamento: 2017

Release da Editora

Rich Cohen – jornalista e um dos criadores da série Vinyl da HBO – embarca na trajetória épica dos Rolling Stones como um jovem repórter que vai para a estrada com a banda nos anos 1990 compartilhando as piadas, a amizade, a malandragem e a convivência difícil. Inspirada por um amor que beira a obsessão, a biografia da banda feita pelo premiado jornalista é conduzida pela visão rigorosa de alguém que cresceu na música e para quem os Stones sempre serão a maior banda de rock de todos os tempos.

Cohen começa do início: o encontro predestinado de Mick Jagger e Keith Richards em uma plataforma de trem em 1961; e parte daí para as décadas seguintes, com especial atenção ao que autor chama de período de ouro – de Beggars Banquet (1968) a Exile on Main Street (1972) –, quando os Stones estiveram no auge de sua força criativa.

O talento de Cohen ilumina os pontos baixos tão bem quanto os altos, mergulhando nos momentos que não apenas definiram os Stones como músicos talentosos formados no blues – e, possivelmente, os compositores mais inovadores de sua geração –, mas também como símbolos inquebrantáveis de muitos aspectos de nossa cultura.

Ao lado da análise original e instigante do autor, O sol & a lua & os Rolling Stones faz com que queiramos ouvir as canções que já conhecemos e procurar o que ainda temos que escutar. No fim das contas, é a música que define por que os Stones serão sempre fundamentais. Uma leitura imperdível para qualquer um que goste de música e cultura pop.

“Diga-me você. Eu não sei. Como é viver em um mundo no qual os Stones sempre existiram? Para você, sempre houve o sol e a lua e os Rolling Stones.” – Keith Richards em entrevista para o autor.

.
– Leia e saiba mais no site da Editora Zahar. => https://goo.gl/UjSq1s

Livro: “Lemmy, A Biografia Definitiva”

Autor: Mick Wall
Editora: Globo Livros
Tradução: Ryta Vinagre
Título Original: Lemmy: The Definitive Biography
Ano de Lançamento: 2017

Sinopse da Editora

Em “Ace of spades”, Lemmy, o líder do Motörhead, um cara que nasceu para perder e viveu para ganhar, cantou: “Não quero viver para sempre”. Entretanto, como ele contou a Mick Wall, seu ex-assessor de imprensa e amigo por mais de 35 anos: “Na verdade, quero morrer com um dia de antecedência. Só para evitar a pressa…”. Essa é sua história. Uma história bizarra, mas 100% verdadeira.

Brutalmente franca, dolorosamente engraçada, triste de doer e narrada com perfeição, Lemmy: a biografia definitiva é a história do único astro do rock que nunca vendeu a alma por prata nem ouro, enquanto mantinha o diabo, como ele próprio colocou, “muito perto”. Mick Wall acompanha Lemmy desde os tempos de escola no País de Gales ao início do sucesso nos anos 1960 com os Rockin’ Vicars; da época em que foi roadie e dealer pessoal de Jimi Hendrix até levar o Hawkwind ao topo das paradas em 1972 com “Silver machine” e de onde foi demitido por tomar as drogas erradas para em seguida formar o Motörhead, cujo álbum Nosleep ‘til Hammersmith alcançou o topo das paradas de sucesso em todo o mundo e se tornou um marco na história do heavy metal.

Baseado nas entrevistas que Lemmy concedeu a Mick ao longo de décadas, assim como conversas com aqueles que o conheciam melhor — ex-companheiros de banda, empresários, músicos, roadies e velhos parceiros das gravadoras — esta é uma história impossível de largar sobre um dos maiores personagens do mundo da música. Com sua morte nos últimos dias de 2015, Lemmy deixou os palcos para se tornar uma lenda. E Lemmy: a biografia definitiva explica exatamente como isso aconteceu.

– Leia e saiba mais no site da Globo Livros.

Livro: “Guns N’ Roses, O Último Dos Gigantes”

Autor: Mick Wall
Editora: Globo Livros
Tradução: Ryta Vinagre
Título Original: Last of the Giants: The True Story of Guns N’ Roses
Ano de Lançamento: 2017

Sinopse da Editora

O Guns N’ Roses sempre foi uma banda que rompeu as barreiras do tempo, o último dos gigantes. Mesmo na década de 1980, quando estavam apenas começando, eles jamais jogaram de acordo com as regras. Num tempo em que o rock havia passado a ser feito por caras que pareciam ter saído da primeira fila da aula de catecismo, surgiu uma banda que havia saltado das páginas dos tabloides sanguinolentos, movida a sexo, álcool e montanhas de cocaína, trazendo de volta a época de ouro da música pesada.

Mick Wall, que conhece a banda desde os seus primeiros – e nada glamorosos – dias, passou anos entrevistando os integrantes, sua entourage e os membros mais importantes de sua equipe de apoio. Ele não só conhece os nomes, mas também lhes permite falar com uma sinceridade arrasadora neste relato considerado a mais reveladora e perspicaz biografia do Guns N’ Roses já publicada.

Além de fazer um retrospecto da carreira da banda do ponto de vista de quem acompanhou de perto todos os altos e baixos do estrelato desde as ruas dos subúrbios de Los Angeles até os dias de glória no início dos anos 1990, Mick Wall oferece aos fãs informações inéditas direto dos bastidores sobre a recente reunião da banda depois de vinte anos sombrios, nos quais mais do que flertar com o abismo, Axl, Slash, Duff e Izzy mergulharam nele de cabeça.

– Leia e saiba mais no site da Globo Livros.

– Leia a matéria sobre o livro, no Jornal “Folha de São Paulo”.

Livro: “Nenhum de Nós: A obra inteira de uma vida”

Nenhum de nós enxerga bem; nenhum de nós serviu no quartel; nenhum de nós repetiu na escola. Três amigos de escola que transformaram o que não tinham em algo muito especial: uma grande banda de rock.

Autor: Marcelo Ferla
Editora: Belas Letras
Ano de Lançamento: 2016

Release da Editora

Acho que era outubro de 86. Ali começava uma história que continua até hoje. E só parece melhorar. Uma história sobre três garotos sem os braços tatuados, nerds e amigos de colégio, que amavam música, sonhavam em formar uma banda de rock e subiam em um palco juntos pela primeira vez. Um líder nato de voz potente, um gordinho simpático e um magrão que lembrava personagem de novela. Os três tinham muito em comum: nenhum de nós enxerga bem; nenhum de nós serviu no quartel; nenhum de nós repetiu na escola. Logo o trio virou o clube dos cinco, superou algumas dificuldades, atravessou o escuro deserto do céu, e hoje, comemorando 30 anos, soma cerca de 2 mil shows e fãs por todo o Brasil. O jornalista Marcelo Ferla conta aqui A obra inteira de uma vida, a história do Nenhum de Nós, de três amigos de escola, que conseguiram levar bem longe o sonho de tocar em uma banda de rock.

Leia e saiba mais no site da Editora Belas Letras.

Livro: “Rita Lee, uma autobiografia”

Autor: Rita Lee
Editora: Globo Livros
Ano de Lançamento: 2016

Release da Editora

Nos últimos tempos eu tive um privilégio pra lá de especial: vi Rita escrever sua biografia. Era um momento que nem em meus sonhos mais loucos ousei experimentar. Como jornalista e curioso, sempre gostei de livros assim. História de gente interessante me move.  E vi nascer, daquelas mãos de fada com sua estrela de sete pontas tatuada, a melhor bio que já li na vida. Sem exagero.

No texto, Rita é de uma honestidade… Muitas vezes brutal. Que contrasta com sua doçura e com tanto amor e leveza. Sim, ela consegue colocar no mesmo capítulo faces tão diferentes e emoções tão distintas. Do primeiro disco voador ao último porre, Rita é consistente. Corajosa. Sem culpa nenhuma. Tanto que, ao ler o livro, várias vezes temos a sensação de estar diante de uma bio não autorizada, tamanha a honestidade nas histórias. A infância e os primeiros passos na vida artística; sua prisão em 1976; o encontro de almas com Roberto de Carvalho; o nascimento dos filhos, das músicas e dos discos clássicos; os tropeços e as glórias. Está tudo lá.

E você pode ter certeza: essa é a obra mais pessoal que ela poderia entregar de presente para nós. Rita cuidou de tudo. Escreveu, escolheu as fotos e criou as legendas – e até decidiu a ordem das imagens -, fez a capa, pensou na contracapa, nas orelhas… Entregou o livro assim: prontinho. Sua essência está nessas páginas. E é exatamente desse modo que a Globo Livros coloca a autobiografia da nossa estrela maior no mercado.

Sempre tive a certeza de que Rita é o maior compositor que já pisou nesse planeta (acho ruim escrever no gênero masculino, mas só assim para não deixar dúvidas de que ela está no topo dos topos). Através de suas canções, ela entrega os segredos da vida. Emoções e temas – muitas vezes complicados de se descreverem – aparecem de forma fluida, limpa, contundente. São revelações. Quem nunca se identificou com uma música dela? Quem é que não tem uma história com sua trilha sonora? É inegável sua importância para a cultura mundial. E com uma voz… uau! Jamais igualada.

Dito isso, musicalmente a sua importância é inegável. Agora, em 2016, Rita se reinventa. Mais uma vez. Nessa, como escritora. E das melhores! Mais do que uma celebração da vida de Rita, esse livro é uma sorte nossa, que vivemos na mesma época em que ela, por saber de sua história através da própria. E, mais do que sua vida, Rita entrega aqui parte importante da história do país, da cultura mundial. Conta passagens, descreve costumes e mudanças pelas quais passamos nos últimos anos.

Em um de seus inúmeros sucessos, Rita se descreve como ‘uma pessoa comum, um filho de Deus’. Ao ler esse livro, fica provado: comum é tudo o que a vida dela não é. Convido vocês a lerem cada página. E depois me digam se não estou certo. Quanto a você, Rita, só me resta dizer: obrigado por dividir sua história com a gente.

– Guilherme Samora é jornalista e estudioso do legado cultural de Rita Lee.

Leia e saiba mais no site da “Globo Livros”.

– Leia a matéria sobre o livro no site do jornal “O Povo”.

1 2 3 9