Grindhouse : O quarteto paulistano de stoner lança seu disco de estreia.

(Foto: Grindhouse, por Mila Feiten)

A música produzida pelo  how to start an essay about yourself for college a kestrel for a knave essay top assignment writer service for university american literature research papers research paper topics and examples it professional resume viagra versailles go https://nyusternldp.blogs.stern.nyu.edu/how-to-write-career-objective-in-resume/ click follow go https://www.medimobile.com/erectile/viagra-sale-auckland/92/ https://homemods.org/usc/stop-animal-abuse-essay/46/ https://zacharyelementary.org/presentation/essay-title-page-format-apa/30/ go to site creative writing cv how to write a college personal statement the school rules essay https://aspirebhdd.org/health/buy-discount-online-viagra/12/ where can i buy a research paper government paper topics research proposal of modern newspaper write essay go here law essay writing tips source site new york city writing https://thejeffreyfoundation.org/newsletter/essays-to-write/17/ good writing essay examples economics times newspaper english pastilla cialis en similares Grindhouse está longe de ser obsoleta – o conceito do ultrapassado, no entanto, é refletido nas letras do disco de estreia, Built in Obsolescence. O stoner rock executado pelo quarteto paulistano – que fará a abertura para o aguardado show dos suecos do Graveyard dia 18/5 em São Paulo – é visceral, encorpado, com doses de fuzz, riffs empolgantes e atmosferas atemporais. O álbum contém 11 faixas e acaba de ser lançado de forma independente em CD e nas principais plataformas de streaming pela Abraxas.

Built in Obsolescence foi gravado no requisitado Estúdio Costela, com produção de Gabriel Zander (Zander, Radical Karma). O Grindhouse está na ativa desde 2009 e, antes deste álbum completo, a banda tinha lançado o 7 polegadas Chosen One pela Monstro Discos. Hoje, a banda é Leandro Carbonato (voz e guitarra), Roger Marx (baixo), Luiz Natel (voz e guitarra) e Bart Silva (bateria).

O conceito do disco gira em torno da obsolescência programada, um termo usado para definir algo que já nasce com prazo de validade, como uma televisão em preto e branco, uma fita VHS, relações interpessoais abusivas e sensações de prazer. As artes gráficas também refletem sobre a obsolência: no encarte, os filhos do vocalista Leandro aparecem vestidos com fantasias que eles mesmos confeccionaram a partir de objetos obsoletos, achados em nichos de reciclagem.

O Grindhouse tem shows memoráveis no currículo: foi eleito o melhor show nacional no Goiânia Noise Festival de 2012, pelo jornal O Globo. Também incendiaram a plateia na abertura para os norte-americanos do Red Fang, que estreou no Brasil em 2012 pela Powerline (produtora de Leandro Carbonato) e reafirmou o poder de fogo junto ao público stoner na abertura para os alemães do Kadavar, em 2018.

Álbum: Built in Obsolescence
Lançamento: 29/03/2019

Tracklist

01 – Centaurus
02 – Cleanliness
03 – T.I.T.I.
04 – Liquid Brain
05 – White Lies
06 – Right Hand
07 – You Stink Mthrfckr
08 – Desert of Affliction
09 – Television Never Lies
10 – Burn Like Fire
11 – Red Pill

Clique aqui, e ouça o álbum na sua plataforma de streaming favorita.

Conheça mais sobre a banda “Grindhouse” nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/ghhband/
Instagram: https://www.instagram.com/ghhband/

(Fonte: Erick Tedesco, assessoria de imprensa)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***