Livro: “Pete Townshend, A autobiografia”


__________________________________________________________

Autor: Pete Townshend
Editora: Globo Livros
Tradução: Cid Knipel Moreira
Ano de Lançamento: 2013
Título Original: “Who I Am, Pete Townshend” (2012)
__________________________________________________________

Sinopse da Editora

A banda The Who era uma das maiores promessas do rock inglês em 1967, quando Pete Townshend, seu guitarrista e principal compositor, decidiu pinçar uma entre as diversas cartas de fãs que recebia com um propósito insólito: aquela correspondência permaneceria fechada e só seria lida muitos anos depois, no momento em que ele fosse escrever a história de sua vida. A mensagem congelada no tempo, raciocinou Pete, poderia lhe dar uma perspectiva sobre sua carreira ao abrir o envelope no futuro, já na condição de consagrado ícone do rock. A presunção juvenil do roqueiro tornou-se fato 45 anos depois. Um dos destaques de Pete Townshend – a autobiografia é justamente o teor da carta mantida inviolada pelo músico por todo esse tempo, período no qual o The Who se transformou numa lenda do rock — em grande parte devido à prolífica mente criativa de Townshend, o idealizador das ambiciosas óperas-rockTommy e Quadrophenia.

Filho de músicos e porta-voz da geração nascida no pós-guerra que revolucionou os costumes nos anos 1960, Townshend faz um corajoso mergulho em suas memórias, trazendo à tona episódios de infância que se alternam entre as turnês em que acompanhava o pai clarinetista e as reminiscências borradas de abusos que teria sofrido quando viveu com a avó materna. O trauma decorrente dessa violência é evocado pelo autor inclusive naquele que talvez tenha sido o momento mais atribulado de sua vida: sua prisão em 2003 pela polícia britânica, sob a acusação de ter acessado um site de pornografia infantil na internet. Townshend admite que o fez — não por ser pedófilo, mas como pesquisa sobre abuso infantil, tema para o qual sempre foi sensível, graças à própria história de vida.

O livro recapitula com detalhes toda a gestação de um grupo mítico — dos ensaios iniciais com o amigo de infância e baixista John Entwistle ao primeiro contato com o vocalista Roger Daltrey, dos shows na banda The Detours à admissão do incontrolável Keith Moon como baterista da formação clássica do The Who. Townshend também descreve seu processo criativo e não hesita em dar crédito aos músicos que mais o influenciaram, como os Beatles. O contato com outros artistas é uma constante: pela vida do autor desfilam colegas de trabalho (e nomes capitais da música) como Paul McCartney, George Harrison, Eric Clapton, Mick Jagger, Jimi Hendrix, David Bowie e Elton John, entre muitos outros.

Personagem dos anos loucos regados a sexo, drogas e rock’n’roll, Townshend conta sobre os bastidores do show business com despudor. Fala das dificuldades de manter um casamento quando se é rockstar, do desejo permanente de abandonar o The Who, das farras durante as turnês, das brigas por causa de dinheiro, do conflito entre arte e negócios, do consumo abusivo de álcool e cocaína, das dolorosas perdas de Moon e Entwistle, do amadurecimento da amizade com Daltrey, do prazer renovado de fazer (muito) barulho sobre o palco.

A obra passa longe da trama clichê de ascensão, queda e redenção de um astro. Autoconsciente e crítico arguto de si mesmo, Townshend consegue refletir sobre sua história e seu trabalho com surpreendente isenção, reconhecendo tropeços e erros e, sem falsa modéstia, identificando a profunda importância de sua obra com o Who no panorama do rock e da cultura popular nas últimas décadas.

Nas palavras do próprio Pete, “este livro não é, para mim, uma vaidade, É um rito de passagem essencial. O rock’n’roll é uma carreira difícil, por mais cinicamente ou comicamente que seus detratores tentem retratá-la. Tenho sorte de estar vivo e de ter uma história tão louca para contar, cheia de aventuras e maquinações criativas. Estou feliz que eu seja capaz de escrever eu mesmo o meu livro, na minha própria ‘voz’, que muitos dos leitores conhecerão pela primeira vez”.

_________________________________________________________

– Leia e saiba mais no site da Globo Livros.

– Leia a matéria sobre o livro, no Jornal “Folha de São Paulo”.

 

Livro: “50 fatos que mudaram a história do rock”

Autor: Paolo Hewitt
Editora: Verus Editora
Tradutor: Leandro Woyakoski
Ano de Lançamento: 2013
Título Original: “Scuse Me While I Kiss the Sky: 50 Moments That Changed Music” (2011)

Sinopse da Editora

O lançamento de Sgt. Pepper´s Lonely Hearts Club Band, o Festival de Woodstock, o Live Aid, o assassinato de John Lennon. Momentos que mudaram a música para sempre. Cobrindo 50 anos, desde quando Elvis Presley levou o rock n´roll às massas no programa de tevê de Frank Sinatra até a morte chocante de Michael Jackson, o influente jornalista – e fã apaixonado de música – Paolo Hewitt seleciona neste livro os 50 momentos decisivos da história do rock. Episódios por trás de canções e discos icônicos, mortes prematuras, shows memoráveis, incidentes ao vivo e os momentos mais ultrajantes do rock são narrados nesta abrangente síntese do maior gênero musical do século XX. O texto dinâmico e fluente de Paolo Hewitt aborda cada acontecimento do ponto de vista privilegiado de quem esteve lá, explicando o pano de fundo e as consequências imediatas de cada momento, bem como seu significado a longo prazo e o legado que deixou.
Ao lado de momentos verdadeiramente emblemáticos, tais como o nascimento dos Beatles e o assassinato de Marvin Gaye pelo próprio pai, você verá outros incidentes menos conhecidos, mas igualmente sensacionais, como a prisão de Keith Richards e Mick Jagger durante uma festa regada a ácido, a participação dos Sex Pistols no programa de entrevistas de Bill Grundy e Pete Doherty arrombando o apartamento do melhor amigo e companheiro de banda, Carl Barât.

Saiba mais no site do Grupo Editorial Record.

Leia a matéria sobre o livre no site do “JC”.

As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos.

Guitar World’s 50 Greatest Rock Songs of All Time.

A revista Guitar World divulgou uma lista, elaborada por seus “especialistas”, das 50 melhores canções de Rock de todos os tempos. As canções estão transcritas nota por nota, num livro com 512 páginas elaborado pela editora Hal Leonard.

Segue a lista em ordem alfabética:

Ain’t Talkin’ ‘Bout Love – Van Halen
All Along The Watchtower – Jimi Hendrix
All Day And All Of The Night – The Kinks
Aqualung – Jethro Tull
Back In Black – AC/DC
Barracuda – Heart
Beat It – Michael Jackson
Blitzkrieg Bop – Ramones
Bohemian Rhapsody – Queen
Born To Be Wild – Steppenwolf
The Boys Are Back In Town – Thin Lizzy
Carry On Wayward Son – Kansas
Comfortably Numb – Pink Floyd
Crazy Train – Ozzy Osbourne
Cross Road Blues (Crossroads) – Cream
Day Tripper – The Beatles
Detroit Rock City – Kiss
Dr. Feel Good – Mötley Crue
Enter Sandman – Metallica
Free Bird – Lynyrd Skynyrd
Funk #49 – James Gang
Highway To Hell – AC/DC
Hotel California – Eagles
Iron Man – Black Sabbath
Jailhouse Rock – Elvis Presley
Layla – Derek and the Dominoes
Limelight – Rush
Misirlou – Dick Dale
Peace Of Mind – Boston
Photograph – Def Leppard
Plush – Stone Temple Pilots
Pride And Joy – Stevie Ray Vaughan
Purple Haze – Jimi Hendrix
Rock Around The Clock – Bill Haley & His Comets
Run To The Hills – Iron Maiden
School’s Out – Alice Cooper
Smells Like Teen Spirit – Nirvana
Smoke On The Water – Deep Purple
Stairway To Heaven – Led Zeppelin
Suite: Judy Blue Eyes – Crosby, Stills & Nash
Sultans Of Swing – Dire Straits
Surrender – Cheap Trick
Sweet Child O’ Mine – Guns N’ Roses
Tush – ZZ Top
Walk This Way – Aerosmith
Welcome To The Jungle – Guns N’ Roses
Whipping Post – The Allman Brothers Band
Whole Lotta Love – Led Zeppelin
Won’t Get Fooled Again – The Who
You Really Got Me – Van Halen

O “Livro” pode ser encontrado na loja on-line da Guitar World ou no site da editora Hal Leonard, nos links abaixo.
http://guitarworld.myshopify.com/products/guitar-worlds-50-greatest-rock-songs-of-all-time
https://www.halleonard.com/product/viewproduct.action?itemid=691143

Livro: “Rage Against The Machine – Guerreiros do Palco”


__________________________________________________________

Autor: Paul Stenning
Editora: Edições Ideal
Título Original: Rage Against The Machine – Stage Fighters
Ano de Lançamento: 2012
__________________________________________________________

Sinopse da Editora

Guerreiros do Palco é a biografia do Rage Against The Machine, uma das bandas mais influentes, poderosas e politizadas dos anos 1990. Provavelmente o mundo não conheceria o termo “rapcore” se não fosse por eles; e provavelmente muitos jovens jamais ouviriam falar dos zapatistas mexicanos se não tivessem um CD do RATM jogado na bagunça do quarto. Música com ideal.
Quando o Rage Against The Machine lançou seu disco de estreia em 1992, a banda não apenas mudou a cara da música da época ao misturar de forma única rock, punk e rap, mas também tornou-se uma das principais vozes do mundo contra as injustiças da sociedade e as imposições do sistema. Ao lançar seus discos por uma grande gravadora, a banda poderia ter caído em contradição, mas ao invés disso utilizou as próprias estruturas das grandes corporações para criticá-las e alterá-las a partir de dentro, com músicas pesadas e letras de protesto poéticas que ecoaram por todo o globo através da performance única de seu frontman, Zack De La Rocha.

Guerreiros do Palco não é apenas um livro sobre uma grande banda de rock and roll, mas também uma verdadeira aula sobre os contextos históricos, as causas sociais, a brutalidade da polícia e todos os movimentos que se desenvolveram até a união de Tom Morello, um guitarrista formado em Harvard, e De La Rocha, um ativista político com raízes no hardcore.

Através dessa obra, Paul Stenning conta como a banda surgiu, lançou quatro discos de estúdio, vendeu milhões de álbuns e se separou em 2000. Dessa separação surgiu o Audioslave, com o vocalista do Soundgarden, Chris Cornell, e vieram mais três discos de estúdio, até o retorno do Rage a todo vapor em 2007.

Que a banda foi fundamental para o rock você já sabia, mas talvez não saiba que o pai de Morello foi um revolucionário e sua mãe uma líder contra a censura, e que em um grande festival em 1993 os membros do Rage ficaram 15 minutos nus em cima do palco para protestar contra o PMRC, responsável pelo famoso selo “PARENTAL ADVISORY”.
__________________________________________________________

Sinopse do Livro na Edições Ideal. http://goo.gl/uxQ0wl

Livro: “Freddie Mercury, A biografia definitiva”


__________________________________________________________

Autor: Lesley-ann Jones
Editora: Best Seller
Tradução: Fabiana Barúqui
Título Original: Freddie Mercury, The definitive biography
Ano de Lançamento: 2013
__________________________________________________________

Sinopse da Editora

Freddie Mercury dispensa apresentações. Mas o que há por trás desse mito do rock? Como ele era nos bastidores? Como foi sua infância e por que ele a escondeu tão bem?

Freddie era uma figura pouco convencional no meio do showbiz. Carente, inseguro, com uma forte personalidade, fã de ópera, mitologia e astrologia, Farrokh Bulsara, também conhecido como Freddie Mercury, é uma figura que merece ser conhecida de perto. Freddie Mercury: A biografia definitiva é uma ótima oportunidade para isso.

_________________________________________________________

– Leia e saiba mais no site da Editora.

– Leia a matéria sobre o livro no site do jornal “Folha de São Paulo”.

Livro: “A Batalha pela Alma dos Beatles”


__________________________________________________________

Autor: Peter Doggett
Editora: Nossa Cultura
Tradutor: Ivan Justen
Ano de Lançamento: 2012
Título Original: “You Never Give Me Your Money, The Battle For The Soul Of The Beatles” (2009)
___________________________________________________________

Release da Editora

Nesta cativante narrativa, Peter Doggett documenta os dramas humanos da rica e envolvente história do império criativo e financeiro dos Beatles, formado para salvaguardar seus interesses, mas fadado a controlar suas vidas. Da tragédia até o retorno triunfal, dos confrontos judiciais aos sucessos nas paradas, A Batalha pela Alma dos Beatles retrata a história não contada de uma banda e de um legado que nunca serão esquecidos.

Quando Paul McCartney disse ao mundo em 1970 que não planejava mais trabalhar com os Beatles, mídia e público em geral sofreram o que foi visto como uma tragédia cultural. As declarações do músico não apenas marcaram o encerramento da majestosa carreira da banda, mas sinalizaram o final de uma era de otimismo sem precedentes na história da cultura popular humana.

Porém, a posteridade não dispensaria o grupo tão facilmente, e uma das fases mais fascinantes da história dos Beatles estava prestes a começar. Por quase quarenta anos, os quatro integrantes, suas famílias e parceiros de negócios foram forçados a viver em meio às reverberações daquele sucesso incrível.

Agora, pela primeira vez, é contada a dramática história das rivalidades pessoais e profissionais que dominaram as vidas dos Beatles desde 1969. As shakespearianas batalhas das famílias de Lennon e McCartney, os conflitos existenciais de George Harrison, dividido entre espiritualidade e fama, e os esforços de Richard Starkey (Ringo Starr) contra o alcoolismo que ameaçava sua vida. As relações mutáveis entre os quatro, ao lutarem para afirmar suas identidades fora dos Beatles, e a transformação de sua empresa multimidiática, a Apple Corps, de bastião da contracultura a leviatã corporativo.

Nesta cativante narrativa, Peter Doggett documenta os dramas humanos da rica e envolvente história do império criativo e financeiro dos Beatles, formado para salvaguardar seus interesses, mas fadado a controlar suas vidas. Da tragédia até o retorno triunfal, dos confrontos judiciais aos sucessos nas paradas, A Batalha pela Alma dos Beatles retrata a história não contada de uma banda e de um legado que nunca serão esquecidos.

__________________________________________________________
– Leia e saiba mais no site da Editora Nossa Cultura.

– Leia a matéria no site do Jornal “Folha de São Paulo.

Livro: “Mick Jagger”

Uma biografia reveladora sobre o líder da maior banda de rock de todos os tempos. Philip Norman retrata a juventude e a formação de Mick Jagger, suas parcerias musicais e a relação com mulheres bonitas e famosas, restituindo a dimensão humana, mas sempre fascinante, de um mito da música pop.

__________________________________________________________

Autor: Philip Norman
Editora: Companhia das Letras
Tradução: Álvaro Hattnher e Claudio Carina
Título Original: Mick Jagger
Ano de Lançamento: 2012
__________________________________________________________

Sinopse da Editora

Mick Jagger é o astro da música que melhor encarnou o ideal de sexo, drogas e rock’n’roll. Nesta que é a mais completa biografia do líder dos Rolling Stones, Philip Norman refaz os passos da consagração de Mick Jagger e mostra como ele se tornou um showman sedutor, o protótipo do pop star genial, escandaloso e milionário.
A partir de uma pesquisa detalhada e numerosas entrevistas, Norman reconstitui a infância de Mick (nascido Mike), o início da carreira do grupo (quando os Stones rivalizavam com os Beatles) e acompanha cronologicamente a evolução da banda, revelando bastidores da criação de clássicos como “Satisfaction”, “Jumpin’ Jack Flash”, “Brown sugar” e “Start me up”.
O livro repassa os episódios turbulentos da carreira do astro e seu grupo, como a morte de Brian Jones, a relação de amor e ódio com Keith Richards, a prisão e o processo por porte de drogas em 1967 e o trágico concerto de Altamont (Califórnia), em 1969, quando um membro da plateia foi esfaqueado até a morte pelos Hell’s Angels, enquanto Mick Jagger cantava “Sympathy for the Devil”.
Ganham destaque os relacionamentos conjugais e extraconjugais com mulheres atraentes e famosas como Marianne Faithful, Bianca Jagger, Jerry Hall, Carla Bruni e Angelina Jolie.
O autor também relata o envolvimento de Mick Jagger com Luciana Gimenez em 1998, no Rio de Janeiro, quando ainda era casado com Jerry. Mick planejava vir ao Brasil com Angelina Jolie, mas a atriz cancelou a viagem. No Rio, durante a turnê Brigdes to Babylon, o cantor acabou se envolvendo com a modelo brasileira, com quem teve um filho, Lucas, nascido em 1999 e reconhecido depois de um processo legal movido por ela.
Hoje, sir Mick Jagger, condecorado pela rainha da Inglaterra, é um respeitado avô de quase setenta anos, mas sua imagem e sua voz ainda inspiram fãs e admiradores. A biografia restitui ao astro sua dimensão humana, retratando um personagem complexo, vulnerável e afetivo.
O estilo envolvente de Philip Norman narra como, em sua longa trajetória de mais de cinquenta anos como astro e ícone sexual, Mick Jagger foi assimilado pelo establishment, mas manteve a mística transgressiva e fascinante do rock.

_________________________________________________________

– Leia e saiba mais no site da Companhia das Letras.

– Leia a matéria do livro feita pela Revista Época.

1 5 6 7 8 9