“Magüerbes” sai em turnê para comemorar 25 anos de carreira.

(Foto: Banda Magüerbes, por Vitor Aranda)

Há 25 anos o Magüerbes circula com segurança pelo cenário da música independente. A banda de Americana, interior de São Paulo, que mistura o peso do new metal, as melodias do punk e o experimentalismo do hardcore, decidiu celebrar um quarto de século na estrada, com mais uma série de shows pelo Brasil. A turnê tem início nesta quinta-feira (18) na capital paulista e passará por cidades dos estados de São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Goiás.

Com uma discografia extensa, que deve ser revisitada nas apresentações de comemoração da banda, o Magüerbes vem semeando suas ideias por onde passa. Em 2015 lançou pela gravadora Hearts Bleed Blue (HBB) o quinto álbum de estúdio, “Futuro”, um marco na história da banda. Em um ambiente com cada vez menos convívio com a natureza, o disco do Magüerbes apresenta uma temática forte, baseada no ciclo da vida e na semente como ponto de partida, e aparece como um incentivador da retomada dessa relação para pensar o futuro. No final do ano passado, a banda divulgou a faixa “Passo-a-Passo”, uma amostra do que está por vir no próximo álbum, “Rurais”, com lançamento previsto para o segundo semestre de 2019.

O Magüerbes é formado por Haroldo Paranhos (voz), Ricardo Franciscangelis (bateria), Julio Ramos (baixo), Fabrizio Martinelli (guitarra) e Fabio Capelo (guitarra).

Veja alguns clips da banda Magüerbes clicando aqui.

Confira as datas já confirmadas da turnê de 25 anos:

18.04 Quinta-feira: FFFront – São Paulo – SP
20.04 Sábado: Fábrica Mutante – Americana – SP
27.04 Sábado: CCJ – São Paulo – SP
11.05 Sábado: Club74 – Santo André – SP
17.05 Sexta-feira: Casarão Studio – Piracicaba – SP
25.05 Sábado: BDZ- Campinas – SP
01.06 Sábado: Casamarela – São Bernardo do Campo – SP
07.06 Sexta-feira: Feeling – Festa HPNM – São Paulo – SP
20.06 Quinta-feira: Célula – Florianópolis – SC
21.06 Sexta-feira: Dom Pub – Blumenau – SC
22.06 Sábado: O’Briens Pub – Balneário Camboriú
23.06 Domingo: Casinha – Curitiba – PR
05.07 Sexta-feira: Sound – Sorocaba – SP
13.07 Sábado: Rock Together – São Paulo – SP
10.08 Sábado: TBA – Piracicaba – SP
17.08 Sábado: Festival Bananada – Goiânia – GO

Conheça mais sobre a banda “Magüerbes” nas redes sociais:

Facebook: http://facebook.com/maguerbes
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCyOx0gYxAVJrKrhlF1spwzg

(Fonte: Hearts Bleed Blue)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

The Mönic: A banda paulista lança segunda faixa do álbum inédito.

(Foto: Banda The Monic, por Marcelle Stavale)

Influenciada pelo garage rock e pelo grunge, dentre outros gêneros, a The Mönic lançou o segundo single do seu álbum de estreia “Deus Picio”. Desse modo, a canção “Just Mad” já se encontra disponível em todos os aplicativos de música, num lançamento da gravadora Deck. Na novidade, o grupo formado só por garotas, reafirma suas opiniões e reforça sua luta pela igualdade de gêneros.

Com bateria marcante e riffs carregados de distorção, a faixa é cantada por Alê Labelle (guitarra e vocal) e mais uma vez aborda questões sociopolíticas e as relações humanas. “A música veio da revolta contra a sociedade machista em que vivemos, pois enquanto lutamos para conquistar nosso espaço ainda é preciso lidar com pressões e idealizações ligadas ao sexo”, comentou Alê. Em seus versos, “Just Mad” retrata a agonia de uma mulher vivendo em meio às pressões sociais e possui refrão explosivo, no que a artista definiu como um “desabafo geral”.

Formado ainda por Dani Buarque (guitarra e vocal), Daniely Simões (bateria) e Joan Bedin (baixo), a The Mönic se prepara para lançar também um videoclipe da nova canção. “Mexico”, primeiro single álbum, já conta com um vídeo, protagonizado pela própria banda e amigos.

Gravado no estúdio paulistano Aurora, “Just Mad” teve produção das próprias musicistas ao lado de Carlos Eduardo Freitas e Aécio Oliveira. Além disso, Aécio foi responsável pela mixagem e masterização da faixa. O álbum, “Deus Picio”, tem lançamento previsto para junho, sendo ainda precedido por um terceiro single a ser divulgado em maio.

Ouça o single no YouTube ou aqui, em sua plataforma de “streaming” preferida.

Aqui, você pode ver o clip de “Mexico” o 1º single do álbum “Deus Picio”.

Conheça mais sobre a banda “The Mönic” nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/themonicband/
Instagram: https://www.instagram.com/TheMonicband/
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCYFqWqzK77U8C7VmbyHfnnQ

(Fonte: Batucada Comunicação)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

A banda “Inocentes” lança o EP “Cidade Solidão”.

(Foto: Banda Inocentes por Murilo Amancio)

“Estamos aqui para revolucionar a música popular brasileira, para pintar de negro a Asa Branca, atrasar o Trem das Onze, pisar sobre as flores de Geraldo Vandré e fazer da Amélia uma mulher qualquer”, escreveu Clemente Nascimento em 1982, um ano depois da formação do Inocentes, grupo de performance poderosa e um dos porta-vozes do movimento punk no Brasil. O anúncio era o que estava por vir no primeiro EP, “Miséria e Fome” (1983), e de lá para cá, o Inocentes acumulou na bagagem, além da experiência de banda veterana no cenário musical, uma extensa discografia. Na última sexta-feira (12), a banda divulgou um novo EP, intitulado “Cidade Solidão”, que segundo o vocalista e guitarrista Clemente Nascimento, “olha para o passado como inspiração para seguir em frente. É uma atualização do que seria feito no começo da carreira, com a mesma energia e criatividade, trazendo elementos novos sem se distanciar das raízes”.

Lançado pela gravadora paulista Hearts Bleed Blue (HBB) em vinil 7 polegadas para comemorar o Record Store Day de 2019, o EP conta com as faixas “Donos das Ruas”, “Fortalece” e “Cidade Solidão”, além da regravação do clássico “Escombros”, lançado originalmente no álbum “Ruas”. “Na época em que ‘Escombros’ foi gravada, em 1996, a banda não tinha a rodagem que tem hoje. Agora conseguimos registrá-la da maneira que queríamos e o resultado ficou ótimo, a música ganhou vida novamente”, conta Clemente. O EP está disponível também nas principais plataformas digitais, e neste formato ele ganha ainda a faixa bônus “Terceira Guerra”, um cover da banda paulista Fogo Cruzado.

“Cidade Solidão” foi produzido por Wagner Bernardes e tem a capa assinada por Antônio Augusto, que também traz um resgate do passado. “A arte foi feita com o mesmo espírito dos compactos punks que comprávamos em 1977”, revela Clemente.

 

Álbum: Cidade Solidão (EP)
Lançamento: 12/04/2019

Tracklist

01 – Donos das Ruas
02 – Fortalece
03 – Escombros
04 – Cidade Solidão
05 – Terceira Guerra

Ouça o EP em sua plataforma de “streaming” preferida.

Conheça mais sobre a banda “Inocentes” nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/InocentesBanda/
Twitter: https://twitter.com/InocentesBanda
Site: http://www.inocentes.com.br/

(Fonte: Hearts Bleed Blue)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

Versus Mare : A banda paulista lança “Cordilheira” seu primeiro “full album”.

Banda Versus Mare
(Foto: Banda Versus Mare, por Thiago Ramos)

A banda Versus Mare, natural de Diadema/SP e uma das novas expoentes de rock do ABCD Paulista, lançou recentemente seu primeiro disco, intitulado “Cordilheira”. Depois dos EPs Enfrenta (2015) e No Meio Do Caminho (2017), é a vez do primeiro “full álbum” da banda. São 12 faixas autorais, que evocam e homenageiam o continente sul-americano.

Veja também: Novo Clip = “Versus Mare – O Enforcado”

Veja também: Novo Clip = “Versus Mare – Navalha & Caos”

A mistura das distorções pesadas de guitarra com ambientações mais cálidas fazem de Cordilheira um manto sonoro variado, porém coeso. Tal diversidade reflete e busca amplificar as vozes diversas que ecoam nos quatro cantos do continente e que ainda hoje lutam por seu lugar. O disco marca o primeiro lançamento pelo selo 1100 Discos e mostra uma nova identidade da banda, com mais maturidade musical e poética, além de reforçar a mistura de gêneros, culturas e estilos que já são característicos da Versus Mare. Cordilheira está disponível nas principais plataformas de streaming de música.

Álbum: Cordilheira
Lançamento: 07/03/2019

Tracklist

01 – Equatorial
02 – Navalha & Caos
03 – Pétala
04 – O Enforcado
05 – Sala em Chamas
06 – Incêndios
07 – Rupestre
08 – Galeões
09 – Saudação
10 – Continente Extraviado
11 – Sol de Pedra
12 – Cordilheira

Versus Mare é:
Gui Nascimento (Voz/Guitarra)
Adonis Guerra (Voz/Guitarra)
Thiago Ramos (Baixo/Voz)
Romulo Oliveira (Bateria)

Ouça o álbum no Spotify:

Se preferir ouça o álbum na sua plataforma de “streaming” preferida.

Youtube: https://bit.ly/2Hjkl0A
Bandcamp: https://bit.ly/2HigjFH
Deezer: https://bit.ly/2TxvTE1

Conheça mais sobre a banda Versus Mare” nas redes sociais:

https://www.facebook.com/versusmare
https://twitter.com/versusmare

 

(Fonte: Romulo Oliveira, Baita Produção)
——————————————-
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

Desert Crows : A banda goiana apresenta “Age Of Despair”, seu álbum de estreia.

(Foto: Banda Desert Crows / Divulgação)

Uma das maiores revelações do stoner rock goiano – que já produziu nomes como Black Drawing Chalks, MQN e Hellbenders -, a Desert Crows lança seu disco de estreia. Age of Despair traz um stoner rock repleto de fuzz e com influências de grunge e rock n’ roll. O álbum, preparado desde 2017, chega às plataformas de streaming e em CD pelos selos Monstro Discos e Milo Records, com arte gráfica do fenomenal Cristiano Suarez.

Age of Despair foi gravado no Estúdio Resistência e conta com oito faixas de stoner tradicional, com uma produção moderna, envolvidas por uma avalanche de riffs pesados e viajantes, com batidas certeiras e empolgantes.

Quem conhece o single ‘Loose Me’, de 2018 (ainda em versão lyric video), sabe o poder de fogo do power trio Vitor Mercez (guitarra e vocal), Raul Martins (baixo) e Pedro Nascimento (bateria). A música, presente em Age of Despair, é densa, cadenciada e com uma melodia que gruda na cabeça. Os outros sigles previamente lançados, ‘Even The Devil Cries’ e ‘Skin’, também estão no álbum.

O lema “fuzzy and heavy tones” faz mesmo jus à proposta dos jovens corvos desérticos, que lançam um debut vigoroso, com a promessa de fazer ainda mais barulho quando executado ao vivo nos shows que anunciarão em breve. Altamente indicado para fãs de Kyuss, Stoned Jesus, Sleep e Uncle Acid and the Deadbeats.

Álbum: Age Of Despair
Lançamento: 12/04/2019

Tracklist

01 – Desert Crows
02 – Loose Me
03 – Even The Devil Cries
04 – Skin
05 – Sweet Liar Love
06 – Born in Blood
07 – Thoughts
08 – Age Of Despair

Ouça o álbum no Spotify:

Conheça mais sobre a banda “Desert Crows” nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/desertcrowsbr/
Twitter: https://twitter.com/desertcrowsbr

(Fonte: Monstro Discos)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

Grindhouse : O quarteto paulistano de stoner lança seu disco de estreia.

(Foto: Grindhouse, por Mila Feiten)

A música produzida pelo Grindhouse está longe de ser obsoleta – o conceito do ultrapassado, no entanto, é refletido nas letras do disco de estreia, Built in Obsolescence. O stoner rock executado pelo quarteto paulistano – que fará a abertura para o aguardado show dos suecos do Graveyard dia 18/5 em São Paulo – é visceral, encorpado, com doses de fuzz, riffs empolgantes e atmosferas atemporais. O álbum contém 11 faixas e acaba de ser lançado de forma independente em CD e nas principais plataformas de streaming pela Abraxas.

Built in Obsolescence foi gravado no requisitado Estúdio Costela, com produção de Gabriel Zander (Zander, Radical Karma). O Grindhouse está na ativa desde 2009 e, antes deste álbum completo, a banda tinha lançado o 7 polegadas Chosen One pela Monstro Discos. Hoje, a banda é Leandro Carbonato (voz e guitarra), Roger Marx (baixo), Luiz Natel (voz e guitarra) e Bart Silva (bateria).

O conceito do disco gira em torno da obsolescência programada, um termo usado para definir algo que já nasce com prazo de validade, como uma televisão em preto e branco, uma fita VHS, relações interpessoais abusivas e sensações de prazer. As artes gráficas também refletem sobre a obsolência: no encarte, os filhos do vocalista Leandro aparecem vestidos com fantasias que eles mesmos confeccionaram a partir de objetos obsoletos, achados em nichos de reciclagem.

O Grindhouse tem shows memoráveis no currículo: foi eleito o melhor show nacional no Goiânia Noise Festival de 2012, pelo jornal O Globo. Também incendiaram a plateia na abertura para os norte-americanos do Red Fang, que estreou no Brasil em 2012 pela Powerline (produtora de Leandro Carbonato) e reafirmou o poder de fogo junto ao público stoner na abertura para os alemães do Kadavar, em 2018.

Álbum: Built in Obsolescence
Lançamento: 29/03/2019

Tracklist

01 – Centaurus
02 – Cleanliness
03 – T.I.T.I.
04 – Liquid Brain
05 – White Lies
06 – Right Hand
07 – You Stink Mthrfckr
08 – Desert of Affliction
09 – Television Never Lies
10 – Burn Like Fire
11 – Red Pill

Clique aqui, e ouça o álbum na sua plataforma de streaming favorita.

Conheça mais sobre a banda “Grindhouse” nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/ghhband/
Instagram: https://www.instagram.com/ghhband/

(Fonte: Erick Tedesco, assessoria de imprensa)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

“Leeds” une progressivo ao rock blues em “Tormenta”, seu novo álbum de inéditas.

(Foto: Banda Leeds, por Renan Facciolo)

Tormenta, o novo álbum de estúdio do power trio Leeds, de Santo André, marca a estreia da banda no selo da Abraxas e já está nas principais plataformas de streaming, além de lançado em CD de forma independente. Moderno, com sintetizadores, com andamentos progressivos em meio ao característico rock blues, a Leeds volta com um álbum bastante peculiar, minucioso e com temas líricos pertinentes ao mundo de hoje.

Com o disco em mãos e na internet, a Leeds faz o show de apresentação de Tormenta neste sábado, 30 de março, no 74 Club, em Santo André.

Gravado em um formato ao vivo em abril de 2018, foi produzido pela própria banda e conta com a engenharia de som, mixagem e masterização realizada por Alexandre Fontanetti e Leandro Henrique no estúdio Space Blues em São Paulo. A arte da capa feita por Karl Alexander Wilke (Leipzig 1879/1954), que trabalhou como ilustrador da revista Die Muskete, revista semanal humorística editada durante a Primeira Guerra Mundial, retrata o imaginário obscuro da banda refletido em todas as composições contidas no álbum.

O uso do teclado e sintetizador é fundamental em Tormenta. É um ponto primordial da atmosfera em quase todas as músicas do álbum. “Abordamos esse álbum de uma maneira diferente, pois decidimos que o gravaríamos ao vivo. Com a presença nova de teclado e sintetizador, todas as músicas foram compostas enquanto ensaiávamos incessantemente por meses através de jams até o dia da gravação. Conseguimos captar nas músicas a luz e sombra”, destaca o baixista Leandro Sant’Ana.

O vocalista e guitarrista Renan Paiva reforça as mudanças na sonoridade, que tornam Tormenta uma peça diferente no rock nacional. “Esse álbum é o resultado da nossa evolução através desses anos, com novos elementos e, claro, carregado de mensagens durante as faixas”. Já o baterista Willian Paiva fala de características que rondam Tormenta. “Temos aqui é um álbum espontâneo e raivoso. Algumas faixas foram capturadas no primeiro take”.

Álbum: Tormenta
Lançamento: 29/03/2019

Tracklist

01 – Tormenta, Pt. I
02 – Ódio e Caos
03 – C. O. M. A.
04 – Guerra
05 – Tormenta. Pt. II

Clique aqui, e ouça o álbum na sua plataforma de streaming favorita.

Conheça mais sobre a banda “Leeds” nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/bandaleeds/
Twitter: https://twitter.com/bandaleeds

(Fonte: Erick Tedesco, assessoria de imprensa)
*** Canal do Rock, por Marcelo Vasconcelos. ***

1 2 3 4 9